Maio Amarelo: mês que simboliza a atenção pela vida

Publicado dia: 2 de Maio de 2018


Campo Grande (MS) – Desde 2014, o mês de maio tem sido marcado por ações que fazem a sociedade refletir sobre a segurança viária e redução de acidentes de trânsito. Trata-se do movimento internacional Maio Amarelo, que utiliza essa cor para simbolizar a atenção pela vida. Neste ano, o tema definido pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran) para as campanhas educativas de trânsito no país, inclusive o Maio Amarelo, é “Nós Somos o Trânsito”.

O objetivo do tema escolhido é o envolvimento direto da sociedade nas ações e propõe uma reflexão sobre uma nova forma de encarar a mobilidade. Trata-se de um estímulo a todos os condutores, seja de caminhões, ônibus, vans, automóveis, motocicletas ou bicicletas, e aos pedestres e passageiros, a optarem por um trânsito mais seguro.  Dados apontam que 90% dos acidentes têm como fator preponderante as falhas humanas como: imperícia, imprudência e desatenção.

Ao longo do mês de maio, o Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso do Sul (Detran-MS) irá desenvolver diversas atividades educativas em todas as cidades do Estado, abordando toda a amplitude que a questão do trânsito exige.

De acordo com o diretor-presidente do Detran-MS, Roberto Hashioka, para que o Maio Amarelo seja um sucesso, o movimento precisa do comprometimento de toda a sociedade, pois cada um tem o poder de melhorar o trânsito. “Somente com o envolvimento da sociedade e com a mudança de comportamento do cidadão é que nós conseguiremos promover essa conscientização de que o trânsito é de todos. Se nós não nos respeitarmos, não humanizarmos o nosso trânsito, infelizmente, vamos continuar com esses números estarrecedores no Brasil e em Mato Grosso do Sul”, destacou Hashioka.

E para que possamos conseguir a preservação da vida e um trânsito mais gentil, convidamos todos vocês a participarem deste movimento e fazerem escolhas mais seguras e responsáveis não só no mês de maio, mas sim, ao longo dos anos. #NósSomosOTrânsito.

Sobre o Maio Amarelo

O Movimento Maio Amarelo nasceu para chamar a atenção da sociedade para o alto índice de mortes e feridos no trânsito em todo o mundo.

O objetivo do movimento é uma ação coordenada entre o Poder Público e a sociedade civil. A intenção é colocar em pauta o tema segurança viária e mobilizar toda a sociedade, envolvendo os mais diversos segmentos: órgãos de governos, empresas, entidades de classe, associações, federações e sociedade civil organizada para, fugindo das falácias cotidianas e costumeiras, efetivamente discutir o tema, engajar-se em ações e propagar o conhecimento, abordando toda a amplitude que a questão do trânsito exige, nas mais diferentes esferas.

Acompanhando o sucesso de outros movimentos, como o “Outubro Rosa” e o “Novembro Azul”, os quais, respectivamente, tratam dos temas câncer de mama e próstata, o “Maio Amarelo” estimula atividades voltadas à conscientização, ao amplo debate das responsabilidades e à avaliação de riscos sobre o comportamento de cada cidadão, dentro de seus deslocamentos diários no trânsito.

A escolha proposital do laço amarelo tem como intenção primeira colocar a necessidade de a sociedade tratar os acidentes de trânsito como uma verdadeira epidemia e, consequentemente, acionar cada cidadão a adotar comportamento mais seguro e responsável, tendo como premissa a preservação da sua própria vida e a dos demais cidadãos.

Vale ressaltar que o Maio Amarelo, como o próprio nome traduz, é um movimento, uma ação, não uma campanha; ou seja, cada cidadão, entidade ou empresa pode utilizar o laço do “Maio Amarelo” em suas ações de conscientização tanto no mês de maio, quanto, na medida do possível, durante o ano inteiro.

Presente em 27 países

No ano passado mais de quatro mil ações que levaram à população a mensagem do Maio Amarelo foram realizadas e informadas à página do Movimento na internet. Tanto no Brasil quanto no mundo, diversas cidades e capitais aderiram ao Maio Amarelo, propondo atividades que visem a conscientização da sociedade por mais paz no trânsito. O tema foi abordado em 26 países em 2017, além do Brasil.

Fonte: Observatório Nacional de Segurança Viária.

 

Voltar