Lei Seca 12 anos: Pelo menos 18 mil pessoas foram presas por dirigir embriagadas em MS na última década

Publicado dia: 27 de junho de 2020


Famosa por apresentar uma evolução cada vez mais rigorosa no combate à mistura álcool e direção, a chamada Lei Seca completou doze anos no Brasil no último dia 19 de junho com 18.057 pessoas presas apenas em Mato Grosso do Sul. A média é de aproximadamente 1,8 mil motoristas flagrados dirigindo sob efeito de bebida alcoólica por ano no Estado.

O número de acidentes envolvendo pessoas alcoolizadas nos últimos dez anos apenas na Capital do Estado alcança os 2.318 casos dos quais, quase metade, 49,5%, resultou em vítimas feridas. Registros do BPMTran (Batalhão de Trânsito de Mato Grosso do Sul) revelam ainda que 25 pessoas morreram na Capital vítimas de acidentes de trânsito causados por motoristas embriagados.

Para o diretor-presidente do Detran-MS (Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso do Sul), Rudel Trindade, a grande missão dos órgãos fiscalizadores é garantir a segurança viária de todos. “Quando o condutor bebe e assume a direção de algum veículo automotor, ele assume também a responsabilidade criminal diante de uma vida. Sabemos que ao misturar álcool e direção os reflexos ficam completamente comprometidos e por isso a tolerância é zero no Brasil”, enfatizou.

Dirigir sob o efeito de bebida alcoólica passou a ser crime no Brasil em 2007 e desde então, vários agravantes foram sendo incorporados ao CTB (Código Brasileiro de Trânsito). Em 2016 a Lei de número 13.281, acrescentou ao Código o artigo 165-A, que considera infração gravíssima a recusa ao teste de bafômetro. As multas também foram reajustadas e o valor para quem for pego dirigindo sob efeito de bebida alcoólica passou de R$ 1.915,00 para R$ 2.934,70, entre outras penalidades que incluem a perda do direito de dirigir.

Pandemia

Neste momento totalmente atípico de pandemia do Novo Coronavírus (Covid-19) as ações de combate a infrações de trânsito em Mato Grosso do Sul ganham força com atividades conjuntas entre agentes de fiscalização do Detran-MS e policiais militares do Batalhão de Trânsito.

“Infelizmente o que falta é uma boa dose de consciência. Muitos não estão preocupados com o próximo e insistem no velho hábito. Mesmo diante de dados assustadores como esse de prisões ou de mortes causadas por motoristas embriagados, algumas pessoas ainda insistem na infeliz mistura álcool e direção. Por isso a importância de unir as forças contra abusos que podem custar vidas”, afirmou o chefe do setor de fiscalização do Detran-MS, Otílio Ruben Ajala Júnior.

Pensando em ampliar o debate sobre o tema, o Detran-MS realiza nesta terça-feira (30), a live “Lei Seca em Debate: Avanços e Desafios”, que será transmitida pelo canal do Departamento no facebook, a partir das 19h, com a participação de especialistas no assunto e autoridades de trânsito.

Vivianne Nunes

Voltar